quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Quem vive de passado é museu... Oieee Museu!!!!!




Estava Sammy pensando sobre a dificuldade que as pessoas, de modo geral, têm em se desvencilhar do passado.
Surgem então dúvidas na cabeça muito pensante de Sammy: por que as pessoas têm essa dificuldade? Por que isso seria bom ou ruim?
Nós somos crianças espirituais, e como tal, ousaria dizer que ainda na primeira infância. Aquela egóica, na casa dos 6 ou 7 anos, em que temos a doce ilusão de que o tempo passa devagar demais, que todo mundo se preocupa conosco, que a teoria heliocêntrica é fantasia, pois o mundo gira ao nosso redor.
Assim, a criança se apega as suas "coisinhas". Seus brinquedos, suas referências. O além do portão de casa ou das vistas dos pais, é um universo assustador, contudo atraente.
Sammy conclui, entonces, que o apego é sinal de que somos crianças, ou seja, apego é sinônimo de imaturidade.
Partindo dessa idéia, poderia dizer que o apego atua negativamente em nós. Impede a evolução, o novo, o fluir da lemniscata da vida, já citado em postagem anterior.
Precisamos exercitar esse desapego. Deixar a vida correr. Lembrar que eternidade significa retorno ad infinitum. Que ao ficarmos ocupados com questões que já foram, deixamos de dispor energia e atenção as novas coisas. Ficamos limitados.
Museus servem para as gerações futuras, cujo valor maior dado as coisas é no mínimo um respeito, uma curiosidade, um riso de comos as coisas eram. Essa é a realidade. As coisas que passam deixam marcas, lembranças, mas vão desbotando, pois o tempo é parte da lemniscata, e o esquecimento é necessário para o novo. A experiência fica registrada.
Para finalizar, seria interessante que certos passados e passadas, acostumados a, por exemplo, visitar diariamente os Orkuts alheios, a fim de se fazerem presentes na vida de outrem, num total desrespeito as escolhas do outro, insistindo em serem importantes, agindo como fantasmas de museu, lessem esse post.
Sim, esse post foi dedicado a você mesma...

Abraços da Sammy.


9 comentários:

  1. Nada como uma reforma, uma pinturinha na parede para receber um móvel novo e chique, não é mesmo????

    ResponderExcluir
  2. As vezes ficamos tão ocupados vendo a casa do vizinho que esquecemos de cuidar da nossa... Depois não adianta chorar...

    ResponderExcluir
  3. Malvado, o post!

    Enfim, cheguei a uma triste conclusão. Apesar de ser escritor, percebi que as palavras são apenas palavras. Podem ou não despertar uma coisa.

    Se uma pessoa é apegada, ela também pode usar a razão para justificar o apego. É algo que você aprende vivendo, e as palavras são artificiais: uma pessoa naturalmente apegada que te respeita poderia fazer de tudo, em primeiro lugar, para negar o que é. Depois só tentaria fingir que não é apegada.

    Poderia, aliás, se apegar à idéia de desapego.

    O apego é inevitável enquanto existe algo que falta em nós. É por isso que recorremos ao mundo de fora: para encontrar a completude íntima. Só que alguns não entendem isso e pensam que precisam realmente de algo externo para se completarem: Se você tirar essa coisa da pessoa será como tentar amputar um membro dela, então a reação natural é agressiva: de auto-preservação.
    Não conheço ninguém que é compelto o bastante para não se apegar a nada...

    ResponderExcluir
  4. Silas!!!!!

    Amei sua intervenção. Capturaste direitinho. O último parágrafo poderia fazer parte do corpo do texto.
    No entanto perceba que falaste de apego de modo geral. Eu falo de apego a coisas que não estão a nosso alcance, entende? Tipo ser apegada a uma idéia que não faz mais sentido, ou a minha Máquina de escrever elétrica, em detrimento ao Notebook.

    Bjue obrigada!

    ResponderExcluir
  5. Silas lembra que você já escrevu isso: "Nesse planeta você poderá vivenciar o fato de que, muito mais que pobres materialmente, a maior parte dos habitantes desse planeta têm o espírito pobre e são apegados à coisas sem importância."....

    ResponderExcluir
  6. Sammy, querida...amada...
    Mesmo não estando ao nosso alcance, temos prazer através do apego...
    Porque nos trazem boas lembranças ou até a vontade de chegar a possuir algo daquele a quem nos apegamos.
    Eu não sou "fuçadora de perfil", mas entendo que a curiosidade em ver a "verdade" (qualidade do verde) da grama do vizinho é algo "alviçareiro"!!! hihihi
    E mais...
    Se nos propomos a sermos públicos, nada mais normal que sejamos "fuçados", né?
    ...Fica brabinha não... a tua "verdade" é grande!!!!
    Beijos da amiga apegada à Sammy..

    ResponderExcluir
  7. Adorei seu blog... ^^x
    e achei massa esse post... =)
    perdi as contas que quantas vezes o mesmo povo chereta meu perfil, sendo que seria muito mais rapido e facil e bem mais proveitoso se tais criaturinhas(atravez do scrap) tentassem fazer uma amizade as claras... xD

    bjinhu linda!

    ResponderExcluir
  8. gostei do post.. eh isso aí abaixo os intrometidos kkk bjo migaa

    ResponderExcluir